Fotografia e Visagismo

Foi procurando formas que poderiam trazer melhores resultados para as fotos que faço, que encontrei o Visagismo. Quando alguém faz um retrato, sempre quer passar uma mensagem, certo? Seja para mostrar como está bonito, que esta feliz ou, em termos profissionais, que são pessoas confiáveis, criativas e bem sucedidos.

Os motivos podem ser os mais variados, mas expressar algo por meio de uma imagem nem sempre é tão simples como parece. Ainda mais pela fotografia que, além de ser estática, é muda e registra apenas uma fração de momento.

Todo mundo já viu fotos de pessoas com o clássico sorriso forçado, que não passa nenhuma ideia de alegria e descontração. Ou, então, cópias de poses de pessoas famosas, que muitas vezes viram uma caricatura e não refletem em nada a personalidade de quem é fotografado.

E daí vem a pergunta: como fazer a melhor imagem de alguém? Indo pela fotografia encontrei respostas na escolha da luz, composição, posicionamento da câmera (ângulo), poses, equipamentos, forma de dirigir o fotografado e o ‘feeling’. Oooops, feeling? É, é isso mesmo, aquele jeito de fazer as coisas de forma intuitiva. Mas apesar de acreditar na importância da intuição, ainda queria algo mais.

E o que eu queria? Descobrir uma forma de registrar a melhor combinação das características de uma pessoa com a mensagem que ela quer expressar. E descobri que isso é o que o Visagismo faz! Veja bem, não qualquer Visagismo, mas o Visagismo by Philip Hallawell.

O primeiro contato que tive com o método foi por meio de dois clientes que fizeram seus retratos comigo. Achei bem interessante as histórias que ouvi e, principalmente, o resultado que obtive nas fotos. E lá fui eu atrás de mais informações. Quanto mais procurava, mais me interessava, e como não podia deixar de ser, fui fazer o curso com o seu criador.

Durante a imersão nos princípios do Visagismo, pude vislumbrar o mundo incrível da Linguagem visual. Tendo a arte como seu grande alicerce e usando princípios da psicologia e antropologia como pilares, Philip Hallawell criou uma forma de interpretar e adequar uma imagem por meio da percepção das linhas, formas e cores.

Essa junção de conhecimentos só poderia ser feita pelo Phillip, um artista excepcional, um profissional responsável e um ser humano maravilhoso. Philip, e sua esposa Sonia Hallawell – que faz ‘tudo acontecer’- ocupam parte do rol das pessoas especiais, que estão neste mundo para muito nos ensinar.

O que aprendi com eles foi tão impactante que fez com que eu começasse a ver tudo que me cerca de um jeito bem diferente, ‘percebendo’ as linhas, formas e cores e olhando imagens além da própria imagem! E isso não somente com as pessoas, mas também com tudo que vejo e registro com minha câmera.

O que aprendi no curso, foi apenas a pontinha de um ‘iceberg’, pois com esse jeito novo de olhar há muito a ser absorvido e entendido – e dá-lhe estudo e prática!

E foi assim que o Visagismo se incorporou em minha forma de perceber o mundo: se tornando um elemento fundamental para minha fotografia.


Philip Hallawell Livros:

A Mão Livre: a linguagem visual

Visagismo: Harmonia e Estética

Visagismo Integrado: identidade, estilo e beleza


Veja mais em: https://visagismo.com.br/